ABPA repudia campanha difamatória
ABPA repudia campanha difamatória

Sendo o Brasil um dos players mundiais do agronegócio, costuma ser constantemente alvo de campanhas difamatórias por parte de ONGs que tentam desestabilizar a produção nacional. Uma tática bastante utilizada neste tipo de campanhas é tentar dividir a população, tentando mostrar os produtores rurais (agropecuários) como vilões, que criam animais com o único objetivo do lucro, omitindo o fato de serem os alimentos essenciais para a vida humana.

Mais uma campanha com viés difamatório tenta ganhar a mídia, sem qualquer comprovação técnico-científica. Desta vez a Organização Não Governamental Mercy for Animals tenta difamar os produtores de aves.

Visando repudiar a atitude e também esclarecer a sociedade, a Associação Brasileira de Proteína Animal divulgou nota de repúdio. Veja a nota:

"A Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), entidade que representa a avicultura nacional – incluindo as centenas de milhares de famílias de colaboradores e produtores – manifesta seu repúdio ao ato sensacionalista cometido pela Organização Não Governamental Mercy for Animals.

Equivocadamente, a ONG lança informações inverídicas, sem qualquer respaldo técnico-científico, para sustentar uma injúria contra a avicultura nacional.

A primeira delas é a acusação de criação de animais com excesso de peso. Dentro do sistema produtivo nacional, as aves são abatidas com peso em torno de 2,3 quilos – muito abaixo de um eventual sobrepeso.

O Brasil segue padrões de bem-estar animal estabelecidos pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) e por diversos órgãos reguladores, que determinam critérios específicos a questões como, por exemplo, o número de animais nos galpões. As médias das taxas de ocupação (como chamamos a quantidade de animais na metragem quadrada da granja) brasileiras têm densidade inferior, inclusive, às praticadas por vários países da União Europeia e outros grandes produtores. Dentro desses critérios estão a oferta adequada de água e alimentos, conforto térmico e preservação da saúde dos animais – que também é importante para a produtividade avícola.

Por cumprir as mais rígidas regras internacionais, o setor é certificado por organizações como Certified Humane, Global G.A.P. e PAACO.

As situações ilustradas em vídeo com o claro objetivo de manipular e chocar o consumidor são pontuais, não condizem com a realidade e o padrão do sistema produtivo.

Ao invés de um caráter construtivo, essa campanha da Mercy for Animals busca desconstruir décadas de trabalhos e investimentos de todos os elos envolvidos na avicultura nacional. Dessa forma, a ONG presta um desserviço à população, gerando ideias equivocadas sobre um setor responsável por 3,5 milhões de postos de trabalho diretos e indiretos e por alimentar centenas de milhões de pessoas em todo o mundo."

O agronegócio brasileiro, incluindo a cadeia da avicultura (produtores e indústrias), atende não só aos critérios determinados pelo Ministério da Agricultura e toda a legislação nacional sobre sanidade, inspeção e bem estar animal, mas também, como afirma a nota da ABPA, segue padrões de bem-estar animal estabelecidos pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) e, por cumprir as mais rígidas regras internacionais, é certificada por organizações como Certified Humane, Global G.A.P. e PAACO.

SAÚDE E INSPEÇÃO ANIMAL

 

topo